Pobre e só


Vida triste a de sozinho. Solidão, sem luxo.
Ambiente frio, desconforto.
Pobreza no coração e no armário.
Velhice, doença, dor, gelo.
Não há como ir ter contigo à procura de um conforto. E, se me for possível ir, não tenho como regressar.
Não existe com que confortar o desconsolo. Não há solidariedade. Não há pão. Não há a quem recorrer. Ninguém. Não existem balas para a pistola. A corda está podre. Não há morte. Não há vida. Não há saída.
 
Luís Francisco Borges
Ponta Delgada, 2 de fevereiro de 2017
 
 

Texto escrito com alguma tristeza para com o meu povo. Este povo, tão virado para o seu umbigo, que precisa de um decreto para ceder prioridade ou ceder o seu lugar no autocarro a um idoso. Este povo que é tão trabalhador como egoísta, tão poeta e romântico como cruel e egocêntrico, tão latino como rasca.

 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CANTIGA DOS AIS

CANÇÃO DA MOÇA-FANTASMA DE BELO HORIZONTE

Aconteceu-me