SABEDORIA

SABEDORIA, José Régio, dito por Natália Alves
SABEDORIA, de José Régio, dito por Margarida Mestre
SABEDORIA, de José Régio, dito por Bruno Huca
SABEDORIA, de José Régio, dito por Joana Carvalho
 
Desde que tudo me cansa,  Comecei eu a viver. 
Comecei a viver sem esperança...
E venha a morte quando
Deus quiser.

Dantes, ou muito ou pouco,
Sempre esperara:
Às vezes, tanto, que o meu sonho louco
Voava das estrelas à mais rara;
Outras, tão pouco,
Que ninguém mais com tal se conformara.

Hoje, é que nada espero.
Para quê, esperar?
Sei que já nada é meu senão se o não tiver;
Se quero, é só enquanto apenas quero;
Só de longe, e secreto, é que inda posso amar. . .
E venha a morte quando Deus quiser.

Mas, com isto, que têm as estrelas?
Continuam brilhando, altas e belas.

                    José Régio, in 'Poemas de Deus e do Diabo'



Comentários

Mensagens populares deste blogue

CANÇÃO DA MOÇA-FANTASMA DE BELO HORIZONTE

CANTIGA DOS AIS

Aconteceu-me